No artigo Número de pessoas vegetarianas e vegan está a aumentar, publicado recentemente no site da TVI24 , é atribuída à Dra. Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas, o “alerta” de que “o veganismo não é opção porque se não for seguido com cuidado pode afetar a saúde”.

Por se tratar de uma afirmação que vai em sentido contrário à posição das mais prestigiadas entidades da nutrição e dietética a nível mundial, e mesmo da nossa Direcção-Geral da Saúde, a Vida Animal solicitou à Ordem dos Nutricionistas que rectifique publicamente a informação veiculada, danosa quer para o público, quer para a própria instituição. Junte-se a nós neste pedido de esclarecimento, enviando e divulgando a mensagem abaixo. Obrigado!

Para: geral@ordemdosnutricionistas.pt

Assunto: Pedido de esclarecimento sobre as declarações da Exma. Sra. Bastonária

Exma. Sra. Dra. Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas,

Foi com grande surpresa que no passado Domingo, 1 de Novembro, designado Dia Mundial do Veganismo, vi atribuída a si, no artigo “Número de pessoas vegetarianas e vegan está a aumentar”, no site da TVI24, a afirmação de que “o veganismo não é opção porque se não for seguido com cuidado pode afetar a saúde”.

Esta declaração surge pouco mais de três meses depois de a Direcção-Geral da Saúde ter afirmado precisamente o contrário, ao publicar o documento intitulado Linhas de Orientação para uma Alimentação Vegetariana Saudável, no qual assegura que “uma alimentação exclusivamente vegetariana, quando bem planeada, pode preencher todas as necessidades nutricionais de um ser humano e pode ser adaptada a todas as fases do ciclo de vida, incluindo a gravidez, lactação, infância, adolescência e em idosos ou até atletas”, sublinhando ainda que “estudos epidemiológicos têm documentado benefícios importantes e mensuráveis das dietas vegetarianas e outras à base de produtos vegetais, tais como a redução da prevalência de doença oncológica, obesidade, doença cardiovascular, hiperlipidemias, hipertensão, diabetes, assim como aumento da longevidade.”

Esta posição da Direcção Geral da Saúde está, de resto, alinhada com aquilo que vêm defendendo as mais prestigiadas associações de nutricionistas do mundo, entre as quais a American Dietetic Association, a Dietitians of Canada e a British Dietetic Association: que o veganismo é uma dieta adequada a todas as fases da vida e que está inclusivamente associada a beneficios de saúde. Quando bem planeada, claro – mas essa ressalva, como os profissionais da nutrição sabem melhor do que ninguém, aplica-se a qualquer tipo de dieta, não apenas à dieta vegana.

Declarações como a do artigo mencionado prestam um desserviço quer ao público, que é induzido em erro por uma instituição que é autoridade no tema, quer aos nutricionistas que a ordem representa, ao promover a desconfiança desses profissionais entre as pessoas que, pretendendo informar-se sobre uma dieta diferente da convencional (e que, como o artigo correctamente indica, são cada vez mais), vão abster-se de consultar um nutricionista ou dietista ao verificarem que o discurso da própria bastonária da ordem revela preconceito e falta de informação.

Por essa razão, solicito a publicação de um esclarecimento que rectifique a informação incorrecta de que “o veganismo não é opção”, substituindo-a por uma declaração que reflicta as evidências científicas actuais. A dar-se o caso de ter sido erroneamente citada, é igualmente importante que esclareça o público a respeito, de forma a dissociar o seu nome e o da Ordem dos Nutricionistas de informação incorrecta e desactualizada.

Com os meus melhores cumprimentos

Vegan

3 Respostas até agora.

  1. Maria Beatriz Abdulremane diz:

    Desculpem não entendi a frase
    ***O veganismo não é opção porque se não for seguido com cuidado pode prejudicar a saúde **
    E estas carnes podres que vendem nos Talhos!
    E os peixes que engolem óleos e químicos !
    E estes frangos,patos,cordoniz cheios de produtos !
    E estes leites ensacados com pús do peito das vacas!
    Eu acho que é muito mais fácil alimentar sem a proteína animal pois compramos muito mais cores no dia a dia e aprendemos a comer leguminosas.
    Sinto muito que cozinhar com proteína animal seja tão rápido e um prato pobre de nutrientes e mais se for analisar a alimentação das escolas as crianças não vão aprender a comer nada pois a sopa é uma água com sal e o prato principal é repetitivo. Minhas filhas levam toda alimentacao de casa pois se comerem a TÃO PROTEÍNA SAUDÁVEL não vão conhecer o mundo dos alimentos .
    Agradecido

  2. Sou vegetariana desde os 37 anos, tenho 63 e sou atleta. Não sofro de qualquer doença, não tenho dores de cabeça, não tomo qualquer tipo de medicação e não sou adepta de pózinhos ou batidos de ginásio. Faço competição e treino em média 8 a 10 horas por semana artes marciais. Espero que a douta pessoa que aponta o vegetarianismo negativamente não seja por incompetência, falta de informação, outros interesses ou ódio aos pobres animais.

  3. Sou vegetariana desde os 37 anos, tenho 63 e sou atleta. Não sofro de qualquer doença, não tenho dores de cabeça, não tomo qualquer tipo de medicação e não sou adepta de pózinhos ou batidos de ginásio. Faço competição e treino em média 8 a 10 horas por semana artes marciais. Espero que a douta pessoa que aponta o vegetarianismo negativamente não seja por incompetência, falta de informação, outros interesses ou ódio aos pobres animais.

Comenta este artigo