A notícia de que o Parlamento Europeu cortou finalmente os subsídios à tauromaquia (o texto da emenda diz “corridas de touros de morte”, mas esperamos que se aplique à tauromaquia de forma geral, já que todas as touradas resultam na morte do touro, mesmo que seja fora da arena) tem sido celebrada desde ontem por milhões de portugueses e outros europeus. O resultado foi de 438 votos a favor, 199 contra e 50 abstenções. No ano passado, a mesma emenda havia sido reprovada com 323 votos a favor, 309 contra e 58 abstenções (era necessária uma maioria absoluta – 377 votos).

É fácil verificar que se deu uma grande mudança de opinião entre os eurodeputados no espaço de um ano – uma mudança que saudamos e que reflecte a rápida evolução de consciência dos cidadãos europeus em relação aos direitos dos animais. Entre os eurodeputados portugueses a mudança também foi substancial. No ano passado, apenas 3 eurodeputadas – Ana Gomes, Liliana Rodrigues e Marisa Matias – haviam votado a favor da proposta, tendo havido 10 portugueses a votarem contra, 2 a absterem-se a 6 a prescindirem de votar. Este ano, foram 9 votos a favor, 9 contra, 2 abstenções e 1 deputada que não votou.

Estamos convictos de que a grande adesão à iniciativa de envio de emails para os eurodeputados portugueses desempenhou um importante papel, ao recordar-lhes aquela que é a posição da maioria dos cidadãos do nosso país. Agradecemos mais uma vez a todos os que participaram – juntos fizemos a diferença em defesa dos animais!

Conheça abaixo os votos dos eurodeuptados portugueses, seguidos de uma tabela que regista a evolução do seu sentido de voto em relação ao ano passado.

A Favor:
Francisco Assis (PS)
José Inácio Faria (MPT)
João Ferreira (PCP)
Ana Gomes (PS)
António Marinho e Pinto (Ind.)
Marisa Matias (BE)
Liliana Rodrigues (PS)
Miguel Viegas (PCP)
Inês Cristina Zuber (PCP)

Contra:
Carlos Coelho (PSD)
José Manuel Fernandes (PSD)
Nuno Melo (CDS)
Cláudia Monteiro de Aguiar (PSD)
Paulo Rangel (PSD)
Sofia Ribeiro (PSD)
Fernando Ruas (PSD)
Pedro Silva Pereira (PS)
Carlos Zorrinho (PS)

Abstiveram-se:
Elisa Ferreira (PS)
Ricardo Serrão Santos (PS)

Não votou:
Maria João Rodrigues (PS)

  2014 2015
Ana Gomes (PS) a favor a favor
Marisa Matias (BE) a favor a favor
Liliana Rodrigues (PS) a favor a favor
Francisco Assis (PS) contra a favor
José Inácio Faria (MPT) absteve-se a favor
João Ferreira (PCP) não votou a favor
António Marinho e Pinto (Ind.) não votou a favor
Miguel Viegas (PCP) não votou a favor
Inês Cristina Zuber (PCP) não votou a favor
Carlos Coelho (PSD) contra contra
José Manuel Fernandes (PSD) contra contra
Nuno Melo (CDS) absteve-se contra
Cláudia Monteiro de Aguiar (PSD) não votou contra
Paulo Rangel (PSD) contra contra
Sofia Ribeiro (PSD) contra contra
Fernando Ruas (PSD) contra contra
Pedro Silva Pereira (PS) contra contra
Carlos Zorrinho (PS) contra contra
Elisa Ferreira (PS) contra absteve-se
Ricardo Serrão Santos (PS) não votou absteve-se
Maria João Rodrigues (PS) contra não votou

 

Fonte: europarl.europa.eu

5 Respostas até agora.

  1. O Parlamento Europeu aprovou uma emenda, apresentada pelo grupo dos Verdes, ao projecto de Orçamento Europeu para 2016, onde se pede que “Nem os dinheiros da PAC (Política Agrícola Comum) nem quaisquer outras verbas orçamentadas devem ser utilizadas para financiar atividades de tauromaquia em que o touro seja morto”.

    Na verdade, esta emenda pede algo que não existe, uma vez que não existem apoios Europeus destinados à tauromaquia, como ontem revelou uma fonte da Comissão Europeia à Agência France Press: “Não há nenhum financiamento da UE para touradas” afirmou, recordando que, desde 2003, os subsídios recebidos pelos agricultores “deixaram de estar ligados ao que produzem e em que quantidade para ficarem sujeitos ao respeito de determinados padrões” relacionados com o ambiente ou o bem-estar animal. Acrescentou ainda que a tourada está fora da alçada legislativa da Comissão, que “não tem competência para tomar medidas” na matéria.

    O absurdo desta situação revela-se quando se sabe que a Comissão Europeia já respondeu publicamente cerca de 50 vezes a perguntas de diversos deputados europeus, esclarecendo que a tauromaquia não recebe financiamentos comunitários. Esta informação encontra-se no site do próprio parlamento europeu (http://bit.ly/1Rf8agZ).

    Esta proposta feita no Parlamento Europeu não passou de uma campanha mediática da parte de alguns grupos políticos radicais para tentarem gerar um efeito negativo sobre o sector da tauromaquia na Europa, através de uma proposta para o orçamento europeu. O alvo desta campanha foi a tauromaquia Espanhola e Francesa, onde o toiro é morto. Tratou-se de mais uma manobra demagógica que não tem fundamento legal, e não poderá ser aceite. Ao que tudo indica será recusada pelo Conselho da União Europeia.

    Além da Comissão Europeia, também em Portugal, onde vários grupos antitaurinos têm veiculado a mesma mentira dizendo que a tauromaquia recebe 16 milhões de euros por ano, o IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas) responsável pela gestão dos fundos europeus para a agricultura, desmentiu, categoricamente, a existência de apoios à tauromaquia, tal como o próprio Ministério da Agricultura, respondeu a esta questão colocada pelo Bloco de Esquerda, no final de 2012, pela deputada Helena Pinto, no parlamento.

    A resposta não podia ser mais clara: “Não existem apoios públicos para fins tauromáquicos” e “Não existe qualquer apoio que seja atribuído especificamente aos touros de lide, dado que, por um lado, os animais machos não usufruem de qualquer apoio directo e, por outro lado, a raça brava de lide não recebe qualquer apoio que a diferencie das outras raças autóctones”.

    Esta Federação lamenta que uma vez mais um orgão politico com a relevância do Parlamento Europeu, seja instrumentalizado para votações que carecem de verdade e de fundamento legal, promovendo preconceitos taurofóbicos, num claro desrespeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos europeus, e desprestigiando esta importante instituição.

    Federação Portuguesa de Tauromaquia

  2. O Parlamento Europeu aprovou uma emenda, apresentada pelo grupo dos Verdes, ao projecto de Orçamento Europeu para 2016, onde se pede que “Nem os dinheiros da PAC (Política Agrícola Comum) nem quaisquer outras verbas orçamentadas devem ser utilizadas para financiar atividades de tauromaquia em que o touro seja morto”.

    Na verdade, esta emenda pede algo que não existe, uma vez que não existem apoios Europeus destinados à tauromaquia, como ontem revelou uma fonte da Comissão Europeia à Agência France Press: “Não há nenhum financiamento da UE para touradas” afirmou, recordando que, desde 2003, os subsídios recebidos pelos agricultores “deixaram de estar ligados ao que produzem e em que quantidade para ficarem sujeitos ao respeito de determinados padrões” relacionados com o ambiente ou o bem-estar animal. Acrescentou ainda que a tourada está fora da alçada legislativa da Comissão, que “não tem competência para tomar medidas” na matéria.

    O absurdo desta situação revela-se quando se sabe que a Comissão Europeia já respondeu publicamente cerca de 50 vezes a perguntas de diversos deputados europeus, esclarecendo que a tauromaquia não recebe financiamentos comunitários. Esta informação encontra-se no site do próprio parlamento europeu (http://bit.ly/1Rf8agZ).

    Esta proposta feita no Parlamento Europeu não passou de uma campanha mediática da parte de alguns grupos políticos radicais para tentarem gerar um efeito negativo sobre o sector da tauromaquia na Europa, através de uma proposta para o orçamento europeu. O alvo desta campanha foi a tauromaquia Espanhola e Francesa, onde o toiro é morto. Tratou-se de mais uma manobra demagógica que não tem fundamento legal, e não poderá ser aceite. Ao que tudo indica será recusada pelo Conselho da União Europeia.

    Além da Comissão Europeia, também em Portugal, onde vários grupos antitaurinos têm veiculado a mesma mentira dizendo que a tauromaquia recebe 16 milhões de euros por ano, o IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas) responsável pela gestão dos fundos europeus para a agricultura, desmentiu, categoricamente, a existência de apoios à tauromaquia, tal como o próprio Ministério da Agricultura, respondeu a esta questão colocada pelo Bloco de Esquerda, no final de 2012, pela deputada Helena Pinto, no parlamento.

    A resposta não podia ser mais clara: “Não existem apoios públicos para fins tauromáquicos” e “Não existe qualquer apoio que seja atribuído especificamente aos touros de lide, dado que, por um lado, os animais machos não usufruem de qualquer apoio directo e, por outro lado, a raça brava de lide não recebe qualquer apoio que a diferencie das outras raças autóctones”.

    Esta Federação lamenta que uma vez mais um orgão politico com a relevância do Parlamento Europeu, seja instrumentalizado para votações que carecem de verdade e de fundamento legal, promovendo preconceitos taurofóbicos, num claro desrespeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos europeus, e desprestigiando esta importante instituição.

    Federação Portuguesa de Tauromaquia

  3. O Parlamento Europeu aprovou uma emenda, apresentada pelo grupo dos Verdes, ao projecto de Orçamento Europeu para 2016, onde se pede que “Nem os dinheiros da PAC (Política Agrícola Comum) nem quaisquer outras verbas orçamentadas devem ser utilizadas para financiar atividades de tauromaquia em que o touro seja morto”.

    Na verdade, esta emenda pede algo que não existe, uma vez que não existem apoios Europeus destinados à tauromaquia, como ontem revelou uma fonte da Comissão Europeia à Agência France Press: “Não há nenhum financiamento da UE para touradas” afirmou, recordando que, desde 2003, os subsídios recebidos pelos agricultores “deixaram de estar ligados ao que produzem e em que quantidade para ficarem sujeitos ao respeito de determinados padrões” relacionados com o ambiente ou o bem-estar animal. Acrescentou ainda que a tourada está fora da alçada legislativa da Comissão, que “não tem competência para tomar medidas” na matéria.

    O absurdo desta situação revela-se quando se sabe que a Comissão Europeia já respondeu publicamente cerca de 50 vezes a perguntas de diversos deputados europeus, esclarecendo que a tauromaquia não recebe financiamentos comunitários. Esta informação encontra-se no site do próprio parlamento europeu (http://bit.ly/1Rf8agZ).

    Esta proposta feita no Parlamento Europeu não passou de uma campanha mediática da parte de alguns grupos políticos radicais para tentarem gerar um efeito negativo sobre o sector da tauromaquia na Europa, através de uma proposta para o orçamento europeu. O alvo desta campanha foi a tauromaquia Espanhola e Francesa, onde o toiro é morto. Tratou-se de mais uma manobra demagógica que não tem fundamento legal, e não poderá ser aceite. Ao que tudo indica será recusada pelo Conselho da União Europeia.

    Além da Comissão Europeia, também em Portugal, onde vários grupos antitaurinos têm veiculado a mesma mentira dizendo que a tauromaquia recebe 16 milhões de euros por ano, o IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas) responsável pela gestão dos fundos europeus para a agricultura, desmentiu, categoricamente, a existência de apoios à tauromaquia, tal como o próprio Ministério da Agricultura, respondeu a esta questão colocada pelo Bloco de Esquerda, no final de 2012, pela deputada Helena Pinto, no parlamento.

    A resposta não podia ser mais clara: “Não existem apoios públicos para fins tauromáquicos” e “Não existe qualquer apoio que seja atribuído especificamente aos touros de lide, dado que, por um lado, os animais machos não usufruem de qualquer apoio directo e, por outro lado, a raça brava de lide não recebe qualquer apoio que a diferencie das outras raças autóctones”.

    Esta Federação lamenta que uma vez mais um orgão politico com a relevância do Parlamento Europeu, seja instrumentalizado para votações que carecem de verdade e de fundamento legal, promovendo preconceitos taurofóbicos, num claro desrespeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos europeus, e desprestigiando esta importante instituição.

    Federação Portuguesa de Tauromaquia

  4. O Parlamento Europeu aprovou uma emenda, apresentada pelo grupo dos Verdes, ao projecto de Orçamento Europeu para 2016, onde se pede que “Nem os dinheiros da PAC (Política Agrícola Comum) nem quaisquer outras verbas orçamentadas devem ser utilizadas para financiar atividades de tauromaquia em que o touro seja morto”.

    Na verdade, esta emenda pede algo que não existe, uma vez que não existem apoios Europeus destinados à tauromaquia, como ontem revelou uma fonte da Comissão Europeia à Agência France Press: “Não há nenhum financiamento da UE para touradas” afirmou, recordando que, desde 2003, os subsídios recebidos pelos agricultores “deixaram de estar ligados ao que produzem e em que quantidade para ficarem sujeitos ao respeito de determinados padrões” relacionados com o ambiente ou o bem-estar animal. Acrescentou ainda que a tourada está fora da alçada legislativa da Comissão, que “não tem competência para tomar medidas” na matéria.

    O absurdo desta situação revela-se quando se sabe que a Comissão Europeia já respondeu publicamente cerca de 50 vezes a perguntas de diversos deputados europeus, esclarecendo que a tauromaquia não recebe financiamentos comunitários. Esta informação encontra-se no site do próprio parlamento europeu (http://bit.ly/1Rf8agZ).

    Esta proposta feita no Parlamento Europeu não passou de uma campanha mediática da parte de alguns grupos políticos radicais para tentarem gerar um efeito negativo sobre o sector da tauromaquia na Europa, através de uma proposta para o orçamento europeu. O alvo desta campanha foi a tauromaquia Espanhola e Francesa, onde o toiro é morto. Tratou-se de mais uma manobra demagógica que não tem fundamento legal, e não poderá ser aceite. Ao que tudo indica será recusada pelo Conselho da União Europeia.

    Além da Comissão Europeia, também em Portugal, onde vários grupos antitaurinos têm veiculado a mesma mentira dizendo que a tauromaquia recebe 16 milhões de euros por ano, o IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas) responsável pela gestão dos fundos europeus para a agricultura, desmentiu, categoricamente, a existência de apoios à tauromaquia, tal como o próprio Ministério da Agricultura, respondeu a esta questão colocada pelo Bloco de Esquerda, no final de 2012, pela deputada Helena Pinto, no parlamento.

    A resposta não podia ser mais clara: “Não existem apoios públicos para fins tauromáquicos” e “Não existe qualquer apoio que seja atribuído especificamente aos touros de lide, dado que, por um lado, os animais machos não usufruem de qualquer apoio directo e, por outro lado, a raça brava de lide não recebe qualquer apoio que a diferencie das outras raças autóctones”.

    Esta Federação lamenta que uma vez mais um orgão politico com a relevância do Parlamento Europeu, seja instrumentalizado para votações que carecem de verdade e de fundamento legal, promovendo preconceitos taurofóbicos, num claro desrespeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos europeus, e desprestigiando esta importante instituição.

    Federação Portuguesa de Tauromaquia

  5. O Parlamento Europeu aprovou uma emenda, apresentada pelo grupo dos Verdes, ao projecto de Orçamento Europeu para 2016, onde se pede que “Nem os dinheiros da PAC (Política Agrícola Comum) nem quaisquer outras verbas orçamentadas devem ser utilizadas para financiar atividades de tauromaquia em que o touro seja morto”.

    Na verdade, esta emenda pede algo que não existe, uma vez que não existem apoios Europeus destinados à tauromaquia, como ontem revelou uma fonte da Comissão Europeia à Agência France Press: “Não há nenhum financiamento da UE para touradas” afirmou, recordando que, desde 2003, os subsídios recebidos pelos agricultores “deixaram de estar ligados ao que produzem e em que quantidade para ficarem sujeitos ao respeito de determinados padrões” relacionados com o ambiente ou o bem-estar animal. Acrescentou ainda que a tourada está fora da alçada legislativa da Comissão, que “não tem competência para tomar medidas” na matéria.

    O absurdo desta situação revela-se quando se sabe que a Comissão Europeia já respondeu publicamente cerca de 50 vezes a perguntas de diversos deputados europeus, esclarecendo que a tauromaquia não recebe financiamentos comunitários. Esta informação encontra-se no site do próprio parlamento europeu (http://bit.ly/1Rf8agZ).

    Esta proposta feita no Parlamento Europeu não passou de uma campanha mediática da parte de alguns grupos políticos radicais para tentarem gerar um efeito negativo sobre o sector da tauromaquia na Europa, através de uma proposta para o orçamento europeu. O alvo desta campanha foi a tauromaquia Espanhola e Francesa, onde o toiro é morto. Tratou-se de mais uma manobra demagógica que não tem fundamento legal, e não poderá ser aceite. Ao que tudo indica será recusada pelo Conselho da União Europeia.

    Além da Comissão Europeia, também em Portugal, onde vários grupos antitaurinos têm veiculado a mesma mentira dizendo que a tauromaquia recebe 16 milhões de euros por ano, o IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas) responsável pela gestão dos fundos europeus para a agricultura, desmentiu, categoricamente, a existência de apoios à tauromaquia, tal como o próprio Ministério da Agricultura, respondeu a esta questão colocada pelo Bloco de Esquerda, no final de 2012, pela deputada Helena Pinto, no parlamento.

    A resposta não podia ser mais clara: “Não existem apoios públicos para fins tauromáquicos” e “Não existe qualquer apoio que seja atribuído especificamente aos touros de lide, dado que, por um lado, os animais machos não usufruem de qualquer apoio directo e, por outro lado, a raça brava de lide não recebe qualquer apoio que a diferencie das outras raças autóctones”.

    Esta Federação lamenta que uma vez mais um orgão politico com a relevância do Parlamento Europeu, seja instrumentalizado para votações que carecem de verdade e de fundamento legal, promovendo preconceitos taurofóbicos, num claro desrespeito pelos direitos e liberdades dos cidadãos europeus, e desprestigiando esta importante instituição.

    Federação Portuguesa de Tauromaquia

Comenta este artigo