Por Bethania Malmberg (da Redação – Suécia)

Foto ilustrativa – Reprodução/Internet

O novo governo da Holanda decidiu proibir animais em circos.

No final de outubro, o novo governo da Holanda apresentou uma proibição para a exibição de animais selvagens em circos. Uma decisão semelhante já estava em andamento na Holanda desde 2008, mas somente agora entrou em vigor. A organização de proteção animal Wilde Dieren de Tent Uit vinha trabalhando há vários anos para tal proibição, contribuindo diretamente para esta decisão. As informações são da Organização Sueca de Direito e Bem-estar Animal Djurens Rätt.

Vários países europeus tomaram decisões semelhantes. Os animais selvagens já são proibidos nos circos da Áustria e da Grécia. Na Bulgária a proibição entrará em vigor a partir de 2015 e na Croácia foram proibidos animais selvagens em circos em 29 municípios. A nova lei de proteção animal da Bósnia e Herzegovina prevê a proibição total de animais em circos e no Reino Unido há decisão semelhante em muitas cidades*.

Na Suécia não há proibição total de animais selvagens em circos, mas o regulamento de bem-estar animal traz uma lista específica de animais que não podem ser exibidos em circos. Estes animais são: macacos, predadores (exceto cães e gatos domésticos), pinípedes (exceto leões marinhos), rinocerontes, hipopótamos, cervídeos (exceto renas), girafas, cangurus, aves predadoras e de rapina, avestruzes, jacarés e crocodilos.

A Secretaria da Agricultura sugeriu que a lista de animais proibidos em circos fosse revista para abranger mais espécies. Elefantes e leões foram incluídos na proposta com base em diversos problemas que podem afetar o bem-estar dessas espécies.

*Nota da Redação: em relação à proibição de animais selvagens em circos na Inglaterra, as notícias mais recentes apontam que uma proibição total está em andamento. Em outubro o Defra (Departamento do Meio Ambiente e da Agricultura) publicou em seu website um primeiro guia para a proteção de animais selvagens em circos. Este documento ainda não é definitivo.

Fonte: ANDA

Comenta este artigo