Holanda terá polícia para animais

Uma proposta originada pelo Partido dos Animais na Holanda prevê a alocação de 500 policiais cuja função será monitorar o bem-estar de animais no país.

Segundo informações do jornal alemão Spiegel, a nova ‘polícia animal’, como ela vem sendo chamada, consistirá de oficiais regulares com os mesmos poderes, mas com treinamento especial que ainda está sendo desenvolvido. Os primeiros 100 policiais estarão alocados até o final deste ano.

A diretora do Partido dos Animais, Marianne Thieme, disse que a ideia original foi inspirada pelo programa do Animal Planet chamado Animal Cops (Tiras Animais), que mostra o trabalho de agentes de bem-estar animal em diferentes cidades americanas como Houston, Filadélfia e Fênix.

Thieme disse que seu partido, que ocupa dois lugares no parlamento, apoia a nova polícia animal, mas está esperando para ver como ela funcionará na prática. “Nós achamos que é uma boa ideia, claro, como um partido de direitos animais nós sempre somos a favor de trabalhar pelo bem-estar animal. Mas, ao mesmo tempo, eles estão cortando verbas para as pessoas que fazem cumprir a lei em relação a transporte de animais e matadouros. Nós tememos que esses policiais animais serão apenas para ‘pets’ e não para animais explorados em fazendas”, ela disse.

Cerca de 450 milhões de animais são assassinados todo ano na Holanda, que é um grande exportador de carne. Os detalhes das funções da polícia dos animais ainda estão sendo delineados pelo Ministério da Agricultura e o plano proposto estará pronto nas próximas semanas.

 

Situação atual

Até agora, a maioria dos casos de crueldade contra animais na Holanda é investigada por uma entidade privada, a Dutch Society for the Protection of Animals. Fundada em 1865, a organização conta com mais de 200 mil associados e emprega 14 empregados em tempo integral. Junto com 150 voluntários, os investigadores são despachados para cerca de oito mil chamadas por ano, disse Casper Schrijver, porta-voz da organização.

As chamadas podem ser para investigar o caso de um animal que não está sendo levado ao veterinário regularmente ou algo mais drástico, como um caso recente que virou manchete, no qual um tutor esfaqueou o animal três vezes.

Schrijver diz que apoia os novos policiais animais, mas afirma que as leis têm que ser mudadas para que os juízes possam sentenciar os transgressores por seus crimes com mais facilidade. Tais mudanças estão em discussão, mas trata-se de uma “estrada longa e árdua”, segundo ele declara.

É provável que a nova polícia encontre apoio entre a população. Ainda segundo Schrijver, 60% dos holandeses consideram o bem-estar animal como uma questão importante.

Fonte: ANDA

Comenta este artigo