As atividades que envolvem a captura e confinamento de cetáceos, como golfinhos e orcas, foram banidas pela Índia, considerando estes animais “pessoas não humanas” com consciência de si próprios e que deverão ter direitos específicos.

O Ministério do Ambiente e das Florestas da Índia determinou a cessação das actividades que impliquem a importação, captura ou confinamento de cetáceos, tais como a realização de espectáculos com golfinhos ou orcas em delfinários. Tal resultou do reconhecimento dos cetáceos como seres vivos inteligentes, com consciência de si próprios e capazes de compreender conceitos abstratos, devendo ser encarados como “pessoas não-humanas” com direitos específicos, segundo um comunicado emitido pelo governo indiano.

Esta decisão foi tomada na sequência de semanas de protestos contra a construção de um delfinário no estado indiano de Kerala e de diversas outras instalações para mamíferos marinhos que estavam projectadas para diferentes locais do país, tornando a Índia no quarto país a banir espetáculos com cetáceos, depois da Costa Rica, Hungria e Chile.

A assunção de que é “moralmente inaceitável” manter golfinhos e orcas cativos para fins de entretenimento humano, como o governo indiano expressou em comunicado, tem vindo a ganhar um peso particular e crescente desde 2010, quando um grupo de cientistas e intelectuais divulgou em Helsínquia o primeiro esboço de uma Declaração dos Direitos dos Cetáceos, afirmando que os cetáceos são pessoas não-humanas que têm o direito à vida, liberdade e bem-estar.

Fontes: www.treehugger.com e www.dw.de

Dolphin

Leituras Adicionais

A inteligência dos golfinhos

Comunicação entre o Homem e os golfinhos poderá deixar de estar limitada à ficção científica

Golfinhos têm assobio individual que usam para fins sociais

Golfinhos, companheiros tradicionais dos humanos

Documentos Recomendados

Do conhecimento à conservação dos mamíferos marinhos

Assessment of catch statistics during the land-based whaling in Portugal

Fonte: Naturlink

Comenta este artigo