Consulte abaixo as respostas dadas pelo candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Paulo Mendes, às questões colocadas pela Vida Animal no âmbito da iniciativa Autárquicas 2013 Pelos Animais. Pode aceder aqui às respostas de outros candidatos.

1. Compromete-se a adoptar uma política de não abate no canil municipal e a lançar um programa de esterilização dos animais de rua do seu município?
A esterilização deve ser a grande prioridade para controlar a população de cães e gatos e, dessa forma, evitar o abate.
A autarquia deveria ter aproveitado, aquando da construção do novo canil intermunicipal, para o dotar das condições necessárias para que obedecesse aos requisitos legais de um Centro de Recolha Oficial (CRO), numa Região em que só o concelho de Ponta Delgada tem um CRO. Temos, por isso, na ilha Terceira, uma situação caricata. Uma autarquia que construiu um canil/gatil, mas que para todos os efeitos está à margem da Lei.
A autarquia deverá continuar a garantir a esterilização dos cães do seu canil, mas deverá ir mais além, e garantir que qualquer munícipe possa esterilizar o seu cão ou gato gratuitamente.
O BE, na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, apresentou um projeto de resolução para que o Governo Regional tomasse todas as diligências possíveis, no sentido de incentivar a criação de CRO em todos os concelhos da Região e que se promovesse a esterilização em detrimento do abate.

2. Compromete-se a não autorizar a instalação de circos com animais nos espaços públicos do seu município?
Comprometo-me a incentivar a instalação de circos, que não explorem animais, nos espaços públicos. Considero que esse é o primeiro passo para mudar a atitude das pessoas relativamente aos espetáculos circenses.

3. Compromete-se a não autorizar a realização de eventos tauromáquicos nos espaços públicos do seu município?
Comprometo-me a não compactuar com o financiamento público a eventos tauromáquicos, uma atividade que, segundo os aficionados da ilha Terceira, tem grande procura e que gera receitas. Logo, considero que o seu financiamento público é um completo disparate.

4. Compromete-se a disponibilizar uma opção vegetariana em todos os refeitórios sob gestão da Câmara Municipal?
É um desafio que faz todo o sentido, na nossa Região, pois serviria para viabilizar a atividade agrícola que não pode, nem deve limitar-se à pecuária. Aliás, a diversificação do setor agrícola dos Açores é o futuro, pelo que todas as medidas que sirvam para dinamizar a horticultura e fruticultura são bem vindas.
É também um desafio, pois permitiria outra ‘diversificação’, a diversificação da dieta alimentar das crianças e jovens do concelho, o que constitui uma medida de incentivo a comportamentos de saúde

Comenta este artigo